EAACI DEFINIÇÕES EM ALERGIA

 

 

 

A nomenclatura em Alergia é variada, e para assegurar uma abordagem segura deste tão importante tópico entre os profissionais de saúde, é recomendável a terminologia recentemente proposta pela publicação da Academia Europeia  de Alergologia e Imunologia Clínica (EAACI),  A Revised Nomenclature for Allergy  (Ref Johansson et al, Allergy 2001).

 

Alergia: Alergia é uma reacção de hipersensibilidade iniciada por mecanismos imunológicos. A alergia pode ser mediada por anticorpos ou por células. Na grande maioria dos casos, o anticorpo responsável pela reacção alérgica, pertence ao isotipo IgE, podendo estes indivíduos ser referenciados como sofrendo de uma alergia mediada por IgE. Nem todas as reacções alérgicas associadas a IgE, ocorrem em indivíduos atópicos. Na alergia não IgE mediada, o anticorpo pode pertencer ao isotipo IgG, eg. anafilaxia devido a complexos imunes contendo dextrano, bem como na clássica doença do soro, previamente referida como reacção Tipo III. Tanto a IgE como a IgG, podem encontrar-se na aspergilose broncopulmonar alérgica (ABPA). A dermatite alérgica de contacto é representativa de doenças alérgicas mediadas por linfócitos.

 

Alergénios: Alergénios são antigénios que causam alergia. Muitos dos alergénios que reagem com IgE e IgG, são proteínas, muitas vezes com cadeias de hidratos de carbono, que em determinadas circunstâncias, têm sido referidos, eles próprios como alergénios.   Raramente, produtos químicos de baixo peso molecular, eg. isocinatos e anidridos que actuam como haptenos, são referidos também como alergénios.

 

No caso da dermatite alérgica de contacto, os alergénios clássicos, são produtos químicos de baixo peso molecular, como o cromium, o níquel e o formaldeído que reagem com as células T.

 

Atopia: Atopia é a tendência pessoal ou familiar para a produção de anticorpos IgE na resposta a doses baixas de alergénios, normalmente proteínas, que como consequência conduzem ao desenvolvimento de sintomas como a asma, rinoconjuntivite, ou a sindroma eczema/dermatite alérgico (SEDA).

 

O termo “atopia” e “atópico” são exclusivamente reservados para descrever o risco clínico e a predisposição. Assim, o termo atopia, deverá ser cuidadosamente  utilizado, até que se possa documentar uma sensibilização por IgE. Sintomas alérgicos, num indivíduo tipicamente atópico, poderão ser referidos como atópicos, como por exemplo, asma atópica.

 

No entanto, asma mediada por IgE, em geral  não deverá ser chamada asma atópica.

 

Testes cutâneos positivos, ou a presença de anticorpos IgE específicos, não deverão ser considerados suficientes como indicativos de constituição atópica.

 

 

 

 

 

Hipersensibilidade: Hipersensibilidade  causa sinais ou sintomas objectivamente reprodutíveis, iniciados pela exposição a um estímulo definido, tolerado pelos indivíduos normais.

 

Hipersensibilidade não alérgica: Hipersensibilidade não alérgica, é o termo preferido para descrever hipersensibilidade, na qual não é possível demonstrar a presença de mecanismos imunológicos.

 

Nomenclatura de doença.

 

Asma (tal como é definido pela GINA): Asma é uma doença inflamatória crónica das vias aéreas, na qual intervêm muitas células, particularmente mastócitos, eosinófilos, e células T. Nos indivíduos susceptíveis, esta inflamação provoca  episódios recurrentes de pieira, dispneia, compressão toráxica e tosse particularmente à noite e ao levantar. Estes sintomas estão normalmente associados a uma vasta mas limitada ventilação, que pode ser  parcialmente reversível, espontâneamente ou por tratamento. Esta inflamação é também causa do aumento da resposta ventilatória associada a diferentes estímulos.

 

 

Asma Alérgica: é o termo mais frequente para designar asma mediada por mecanismos imunológicos. Havendo evidência de mecanismos mediados por IgE, recomenda-se a utilização do termo, asma mediada por IgE. Os anticorpos IgE, podem iniciar reacções alérgicas imediatas ou tardias. No entanto, noutras doenças alérgicas, reacções associadas de células T parecem ser da maior importância em reacções tardias. Dependendo da duração dos sintomas, a asma deverá ser referenciada como intermitente ou persistente.

 

Asma não Alérgica: Este é o termo mais aconselhável para os tipos de asma não mediados imunologicamente.

Recomenda-se assim, que os anteriores termos, “extrínseco” e “intrínseco”, “exógeno” e “endógeno”, não sejam mais referidos na abordagem dos sub-grupos asma alérgica e não alérgica.

 

 

Rinoconjuntivite: Sintomas de reacções de hipersensibillidade mediada imunologicamente, a nível do nariz ou da conjuntiva, devem ser referidos como rinoconjuntivite alérgica, que na maioria dos casos são mediados por IgE. Com base na duração, poderá auxiliar a diferenciação entre rinoconjuntivite alérgica, intermitente e persistente.

 

Eczema: O que é normalmente designado de “eczema atópico/dermatite atópica”, não é  uma só doença, mas antes  um conjunto de várias doenças com características comuns. Um termo mais apropriado para o designar, será a sindroma eczema/dermatite atópica (SEDA).

Da mesma maneira os subgrupos relacionados com asma e rinoconjuntivite alérgica, deverão ser apelidados de SEDA IgE-associados.

 

 

 

 

 

 

Literature

 

Johansson SGO, O’B Hourihane J, Bousquet J et al. A revised nomenclature for allergy. An EAACI position statement from the EAACI nomenclature task force. Allergy 2001;56:813-824.

 

 

Translation kindly performed by Prof. JE Ferreira Rosado Pinto, Depatment of Allergology and Clinical Immunology, Hospital d’Estefânia, Lisbon, Portugal.